Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Resposta ao Luciano Ayn

Não sabe brincar? Não desce para o play 
[Titulo Original ]

Quantos esquerdistas saíram correndo para criticar o ex-BBB e o Nilo do Lixão por cuspirem nos outros publicamente? Você sabe a resposta.

A esquerda tem a exata noção que está numa guerra e não ganha absolutamente nada ao enxovalhar publicamente um dos seus, mesmo que faça críticas severas quando os adversários não estão olhando. Eles sabem o que estão fazendo.

Quando Luciana Genro deu uma piscadela para o impeachment e foi escorraçada sem dó por seus correligionários, ela foi vista como alguém que “traiu o movimento”, única regra que não pode ser desrespeitada e que será punida exemplarmente. Mesmo que intimamente muitos saibam que este governo acabou e seu cadáver insepulto assombra e empesteia a nação, a queda de Dilma é uma derrota importante e o outro lado não joga para perder.

Muitos neófitos da direita, pelo contrário, são os primeiros a pagar pedágio ideológico para a esquerda quando não concordam com algo que alguém do próprio time fala ou faz. É gente ávida por sair correndo e gritando “esquerdistas do meu coração, aquele ali da direita é um idiota, eu sou diferente, me dá um abraço?” Baixa auto-estima é má conselheira leva a péssimas decisões estratégicas e táticas.

Passou da hora de acabarmos com essa Síndrome de Estocolmo política, de aplaudir quem demoniza ou desmoraliza em público seus pares para arrancar sorrisos sarcásticos do outro lado. Chega de fazer papel de idiota, é preciso entender o que está em jogo e ter noção do trabalho enorme que ainda tem que ser feito para livrar o país do esquerdismo tacanho, botocudo, cleptomaníaco e cafona que amarra o desenvolvimento do país há anos. Chega de querer dormir com o inimigo.

Você não é obrigado a concordar com tudo que alguém da direita fala, é óbvio, mas precisa entender como seu faniquito gera danos em todos nós. Elogiar em público e criticar em privado não é nada difícil, pelo contrário, é uma lição que seus pais deveriam ter te ensinado na infância.

As redes sociais são sensacionais, mas estimulam naturalmente que todos opinem sobre tudo o tempo todo, especialmente no calor dos acontecimentos, quando os fatos ainda estão sendo conhecidos e entendidos. Os palpiteiros de teclado parecem mais interessados em falar primeiro do que pensar antes de falar, com resultados constrangedores e danosos para todos os envolvidos.

Não faz sentido que se espere perfeição de quem luta ao seu lado, basta que ele acerte mais que erre e a causa avance. Na guerra pelo poder, fazer concessões desnecessárias ao adversário só serve para que ele fique mais perto da vitória, algo que todos deveriam saber.

Você ficou constrangido com algo que alguém da direita falou recentemente? Bem vindo ao clube, fico todo dia, mas a crítica é feita ao autor da gafe diretamente, sem intermediários e principalmente sem espetáculos infantilóides e ridículos para tentar buscar elogios dos adversários.

Se existe uma regra nesta batalha é: toda vez que a esquerda te fizer um elogio, pare e reflita sobre o que você fez de errado. É muito provável que você tenha falhado miseravelmente.


Alexandre Borges
Alexandre Borges é carioca, comentarista político e publicitário. Diretor do Instituto Liberal, articulista do jornal Gazeta do Povo e dos portais Reaçonaria.org e Mídia Sem Máscara. É autor contratado da Editora Record.

Nenhum comentário:

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE