Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil

Cuba taxa de mortalidade é FAKE.

Se é verdade que Cuba tem baixa mortalidade infantil também é verdade que a Coreia do Norte venceu a Copa 2014.
Escutava a rádio CBN pela manhã, quando Kennedy Alencar veio fazer coro à desinformação esquerdista sobre a medicina cubana. Não só o “moderado” jornalista aplaudiu a decisão do governo de importar escravos, digo, médicos cubanos, como teceu loas à medicina da ilha-presídio. Mortalidade infantil menor do que a americana! Mesmo?

Esse artigo de Humberto Fontova, traduzido pelo IMB, merece ser lido com atenção, pois desmascara o mito da saúde cubana sem dó nem piedade (quem não tem dó nem piedade, na verdade, é o regime cubano). Fontova é autor de um livro detonando o assassino Che Guevara, mito da esquerda, e outro sobre o fascínio de Hollywood pelo tirano Fidel Castro. Ele é cubano foragido, entende das coisas.

Vejamos essa explicação para a incrível taxa de mortalidade infantil em Cuba, sempre lembrando que os dados “oficiais” partem de uma ditadura fechada que não permite averiguação por parte de ninguém:

E, de fato, de acordo com os números da ONU, a atual taxa de mortalidade infantil de Cuba coloca o país na 44ª posição no ranking, bem ao lado do Canadá.

CUBA revelada por Cubanos Parte 1
https://www.youtube.com/watch?v=GkMvzV261m4

Mas o que a CNN deixou de lado é que, de acordo com essas mesmas estatísticas da ONU, em 1958 (o ano anterior à gloriosa revolução) Cuba figurava na 13ª posição, mundialmente.  Isso significa que a Cuba pré-Fidel, robustamente capitalista, tinha a 13ª menor taxa de mortalidade infantil do mundo.  Isso colocava o país não apenas no topo da América Latina, mas também acima de grande parte da Europa Ocidental, à frente da França, Bélgica, Alemanha Ocidental, Israel, Japão, Áustria, Itália, Espanha e Portugal.  Hoje, todos esses países deixam a Cuba comunista comendo poeira, com taxas de mortalidade infantil muito menores.

E mesmo despencando da 13ª posição (quando capitalista) para a 44ª (agora comunista), a “impressionante” mortalidade infantil cubana é mantida artificialmente baixa pelas trapaças estatísticas do Partido Comunista e por uma taxa de aborto verdadeiramente pavorosa: 0,71 abortos para cada feto nascido vivo.  Essa é, de longe, a taxa mais alta do hemisfério.  Em Cuba, qualquer gestação que sequer insinue alguma complicação é “terminada”.

Ou seja, a taxa de mortalidade infantil já era muito baixa em Cuba antes do Fidel, depois só piorou, e mesmo assim é falsa, pois ignora os abortos. Quem compara a taxa oficial entre Estados Unidos e Cuba, como fez Kennedy Alencar, está comparando laranja com limão podre.

Portanto, meus caros, cuidado com as estatísticas cubanas. Elas mentem! E ninguém tem como checá-las, pois a ditadura não permite. Mas tem “jornalistas” aos montes loucos para acreditar em qualquer dado enganoso que os irmãos Castro divulgam…


Por Rodrigo Constantino






O artigo seguinte foi publicado no The Medical Sentinel 2000 , órgão oficial da Associação de Médicos e Cirurgiões Americanos ( The Association of American Physicians and Surgeons),e  revela o seguinte:

" A ditadura Castro alega ter uma taxa de mortalidade infantil mais baixa do que os EUA . Mas quando examinada mais a fundo, verifica-se que a alegação é falsa. A Realidade é que os médicos em Cuba são pressionados a usar todos os meios à sua disposição para distorcer a mortalidade infantil, sendo recompensados ​​financeiramente os que se prestam a tal infâmia".

" A manutenção artificial da vida em bebês durante o primeiro ano após o seu nascimento com o objetivo de alcançar uma meta numérica sobre a mortalidade infantil em um determinado setor da saúde pública , é uma prática comum no sistema cubano .A taxa de mortalidade infantil em Cuba em menores de 1-4 anos é de 34 por cento maior do que nos EUA ( 11,8 por mil contra 8,8 por mil) . Também a mortalidade materna em Cuba é quase quatro vezes maior do que os EUA ( 33 por 1.000 contra 8,4 por 1000 . ) A mortalidade infantil em Cuba, sob essas circunstâncias, não é representativa do bem-estar e com os padrões de vida da população. "


CUBA revelada por Cubanos Parte 2
https://www.youtube.com/watch?v=IVN7TwXEO2M

María Elena Rodríguez, repórter de Cuba Voz , em 25 de junho de 2001, relatou:

"Hospitais Infantis de Havana não têm reagentes químicos para realizar testes de laboratório clínico de vital importância para emissão de um diagnóstico preciso.

"Faz seis meses que não podem realizar o exame de sangue para detectar a febre tifóide, nem tampouco hemossedimentação(VHS) ", disse uma técnica de laboratório do hospital materno-infantil do município de Diez de Octubre da cidade de  Havana.


CUBA revelada por Cubanos Parte 3
https://www.youtube.com/watch?v=bHlPqYOucU8

Jose Izquierdo, Guines, Grupo Decoro / www.cubanet.org , 3 de julho de 2002, relatou:

"Uma invasão de carrapatos causou o fechamento temporário da sala de número oito especializada em  pediatria  do Hospital Aleida Fernandez localizado em Guines, na província de Havana.

Nós não sabemos o que fazer já que a condição de higiene do hospital é deplorável. É comum encontrar grandes quantidades de baratas, mosquitos, ratos e agora os carrapatos


CUBA revelada por Cubanos Parte 4
https://www.youtube.com/watch?v=l8WBYVy9s6Q

 Víctor Rolando Arroyo, Pinar del Rio, UPECI / www.cubanet.org, 6 de agosto de 2002, relatou:

"A escassez de garrafas no hospital na província cubana de Pinar del Rio é a razão pela qual as crianças internadas na unidade são  alimentadas em alças descartáveis​​ do soro, se os pais não trazem os seus próprios utensílios para amamentar as crianças menores- no entanto,nas  lojas dolarizadas há em abundancia  garrafas fabricadas na China, que desmascara o argumento do embargo dos EUA. "


CUBA revelada por Cubanos Parte 5
https://www.youtube.com/watch?v=Y1QgQm6PVqk

Beatriz del Carmen Pedroso, Havana,Carta de Cuba, 27 de agosto de 2002, relatou:

"A situação é crítica no Hospital Pediátrico Juan Manuel Marquez, na Avenida 41, no município de Marianao em Havana,que determinou o fechamento total de quartos de atenção às doenças diarreicas agudas, devido à falta de higiene, e de duas de suas salas de operação dessa unidade de saúde, por  falta de equipamentos de ar condicionado e cilindros de oxigênio.

"É lamentável que sejam adiadas ou não se realizem as intervenções cirúrgicas em crianças  com diferentes doenças, algumas de urgência, e que tenhamos de encaminhar a outros hospitais com urgência para concluir a operação", admitiu um funcionário do hospital.

"O Juan Manuel Marquez foi construído no início dos anos 90, mas sua construção é deficiente, e a maioria das suas paredes estão rachadas e há vazamentos no telhado."


Dorka Cespedes / HavanaPress, Nueva Prensa Cubana (www.nuevaprensa.org) informou a partir de Havana, em 14 de novembro de 2002:

"Diferentes surtos de leptospirose, vulgarmente conhecida como" doença do rato "- dentro e fora da capital cubana obrigaram aos jovens trabalhadores de saúde a aplicar  veneno contra rato, conhecido por Biorat.

"Até o momento três mortes foram relatadas em crianças por leptospirose no município de Guines em Havana . Há muitos casos em áreas isoladas da capital. A causa aparente deste novo surto é a ocorrência de ratos após a limpeza intensiva nas áreas metropolitanas ".




Alicia Zamora Labrada, Lux Info Press / www.cubanet.org, Havana, 15 de dezembro de 2002, relatou:

"O escritório provincial do Ministério da Saúde Pública ordenou o fechamento imediato da Maternidade - Infantil" Lebredo "ao lado do Hospital Geral Docente" Julio Trigo "(antigo Sanatório La Esperanza), localizado no Km 7 na Passagem em Bejucal município Arroyo Naranjo da capital.

"A informação foi passada a essa  agência pela Dra. Rayma Alonso, especialista em Obstetrícia e Ginecologia.

"A aplicação de medidas tão urgentes é devido à situação crítica que se encontrava a instalação hospitalar foi e que tem sido constantemente denunciada pelo Sindicato Independente dos Trabalhadores da Saúde, afiliado a Confederação dos Trabalhadores Nacional  Independentes de Cuba (CONIC)."

O objetivo deste artigo é expor a verdade sobre o mito da baixa mortalidade infantil alardeado pela tirania Castrista  .
Cuba:Fraude nos índices de mortalidade Infantil na feroz ditadura dos Castro

Em relatórios do governo publicados pelo jornal oficial Granma , janeiro de 2001 , este  se vangloriava que em 2000 a taxa de mortalidade infantil em Cuba foi uma das mais baixas do mundo , de 7,2 por mil nascidos vivos ,cifra de veracidade muito duvidosa como veremos nos dados fornecidos mais adiante .

 As estatísticas da ONU mostram que Cuba em 1957, tinha uma taxa de mortalidade infantil de 32 por mil nascidos vivos , a mais baixa da América Latina. Este percentual colocou Cuba  na 13 ª posição a nível mundial , à frente de países como a Áustria, Bélgica, Coréia do Sul, Espanha , França, Grécia , Israel, Itália, Japão e Portugal. Hoje todos esses países estão à frente de Cuba , que se classifica em 29ª em todo o mundo .

Não está   muito longe o dia  que poderemos verificar a exatidão destas estatísticas .

As informações e opiniões a seguir foram emitidas por organizações médicas,pela ONU,  jornalistas independentes em Cuba e por médicos .


O artigo seguinte foi publicado no The Medical Sentinel 2000 , órgão oficial da Associação de Médicos e Cirurgiões Americanos ( The Association of American Physicians and Surgeons),e  revela o seguinte:

" A ditadura Castro alega ter uma taxa de mortalidade infantil mais baixa do que os EUA . Mas quando examinada mais a fundo, verifica-se que a alegação é falsa. A Realidade é que os médicos em Cuba são pressionados a usar todos os meios à sua disposição para distorcer a mortalidade infantil, sendo recompensados ​​financeiramente os que se prestam a tal infâmia".

" A manutenção artificial da vida em bebês durante o primeiro ano após o seu nascimento com o objetivo de alcançar uma meta numérica sobre a mortalidade infantil em um determinado setor da saúde pública , é uma prática comum no sistema cubano .A taxa de mortalidade infantil em Cuba em menores de 1-4 anos é de 34 por cento maior do que nos EUA ( 11,8 por mil contra 8,8 por mil) . Também a mortalidade materna em Cuba é quase quatro vezes maior do que os EUA ( 33 por 1.000 contra 8,4 por 1000 . ) A mortalidade infantil em Cuba, sob essas circunstâncias, não é representativa do bem-estar e com os padrões de vida da população. "

O Dr. Juan Felipe García MD, Jacksonville, Florida, abril de 2001,em entrevistas com médicos cubanos recém-chegados, compilou as seguintes informações:

    "As estatísticas perinatais do governo cubano é uma fraude. Quando uma criança nasce, o pediatra é condenado se reporta  estatísticas adversas , portanto, datas são falsificadas no prontuário médico para que as crianças" morram "somente após o primeiro ano (A mortalidade perinatal é definida pelos mortos no primeiro ano de vida.) Se um médico relata um resultado adverso para a 'Revolução',é desonrado,cai em desgraça e pode custar-lhe desde uma punição severa, até parar de trabalhar. Crianças 'não podem morrer após o nascimento e muito menos na sala de parto. "

Mario Enrique Mayo da Agência Félix Varela relatou desde Camagüey para a Nueva Prensa Cubana, em 26 de janeiro de 2003, o seguinte:

"A Dra. Olga Oropeza, uma especialista do hospital materno provincial Ana Betancourt,  foi advertida por deixar nascer vivo uma criança de baixo peso na cidade de Camagüey."

"O vice-diretor de assistência médica, o Dr. Leonardo Ramirez, disse que reprovou a atitude da médica, porque isso afetava a taxa  de mortalidade infantil. Tal censura foi realizada em 30 de dezembro, quando estavam produzindo as informações de fim de ano sobre a mortalidade infantil. "
Esta notícia confirma a informação anterior de médicos cubanos recém chegados ao exílio.

O relatado só acontece em um país muito atrasado, supostamente não deveria acontecer em uma "POTÊNCIA MÉDICA"  como Cuba.

María Elena Rodríguez, repórter de Cuba Voz , em 25 de junho de 2001, relatou:

"Hospitais Infantis de Havana não têm reagentes químicos para realizar testes de laboratório clínico de vital importância para emissão de um diagnóstico preciso.

"Faz seis meses que não podem realizar o exame de sangue para detectar a febre tifóide, nem tampouco hemossedimentação(VHS) ", disse uma técnica de laboratório do hospital materno-infantil do município de Diez de Octubre da cidade de  Havana.

Outros hospitais da capital também carecem de  produtos químicos para exames de sangue: Os pediátricos del Cerro,localizado no centro de Havana, o de  San Miguel del Padrón e Arturo Aballí e do Instituto de Reumatologia de Adultos que se  encontram na antiga clínica Dependente . "

Juan Carlos Linares relatou desde Havana em 22 de agosto de 2001, para CubaNet o seguinte:

"Mais de 80 crianças infectadas com meningoencefalite eqüina foram atendidas no Hospital Infantil de Cerro (antigo Católicas Cubanas) nas últimas semanas.

"A cifra evidencia que se trata de  uma epidemia, não como o Ministério da Saúde designou o hospital pediátrico do Cerro, localizado no município de mesmo nome, na capital cubana, para que só atenda os casos mais graves . "Embora seja previsto que outros hospitais em Havana forneça atendimento, a doença se espalha", disse a fonte.

A imprensa cubana independente tem informado nos últimos tempos sobre diferentes problemas de saúde na capital de Cuba, apesar da mídia nacional  não publicar nada, absolutamente nada sobre estes tipos de temas. "




Jose Izquierdo, Guines, Grupo Decoro / www.cubanet.org , 3 de julho de 2002, relatou:

"Uma invasão de carrapatos causou o fechamento temporário da sala de número oito especializada em  pediatria  do Hospital Aleida Fernandez localizado em Guines, na província de Havana.

Nós não sabemos o que fazer já que a condição de higiene do hospital é deplorável. É comum encontrar grandes quantidades de baratas, mosquitos, ratos e agora os carrapatos  ".

Víctor Rolando Arroyo, Pinar del Rio, UPECI / www.cubanet.org, 6 de agosto de 2002, relatou:
"A escassez de garrafas no hospital na província cubana de Pinar del Rio é a razão pela qual as crianças internadas na unidade são  alimentadas em alças descartáveis​​ do soro, se os pais não trazem os seus próprios utensílios para amamentar as crianças menores- no entanto,nas  lojas dolarizadas há em abundancia  garrafas fabricadas na China, que desmascara o argumento do embargo dos EUA. "

Beatriz del Carmen Pedroso, Havana,Carta de Cuba, 27 de agosto de 2002, relatou:

"A situação é crítica no Hospital Pediátrico Juan Manuel Marquez, na Avenida 41, no município de Marianao em Havana,que determinou o fechamento total de quartos de atenção às doenças diarreicas agudas, devido à falta de higiene, e de duas de suas salas de operação dessa unidade de saúde, por  falta de equipamentos de ar condicionado e cilindros de oxigênio.

"É lamentável que sejam adiadas ou não se realizem as intervenções cirúrgicas em crianças  com diferentes doenças, algumas de urgência, e que tenhamos de encaminhar a outros hospitais com urgência para concluir a operação", admitiu um funcionário do hospital.

"O Juan Manuel Marquez foi construído no início dos anos 90, mas sua construção é deficiente, e a maioria das suas paredes estão rachadas e há vazamentos no telhado."


Dorka Cespedes / HavanaPress, Nueva Prensa Cubana (www.nuevaprensa.org) informou a partir de Havana, em 14 de novembro de 2002:

"Diferentes surtos de leptospirose, vulgarmente conhecida como" doença do rato "- dentro e fora da capital cubana obrigaram aos jovens trabalhadores de saúde a aplicar  veneno contra rato, conhecido por Biorat.

"Até o momento três mortes foram relatadas em crianças por leptospirose no município de Guines em Havana . Há muitos casos em áreas isoladas da capital. A causa aparente deste novo surto é a ocorrência de ratos após a limpeza intensiva nas áreas metropolitanas ".



Alicia Zamora Labrada, Lux Info Press / www.cubanet.org, Havana, 15 de dezembro de 2002, relatou:

"O escritório provincial do Ministério da Saúde Pública ordenou o fechamento imediato da Maternidade - Infantil" Lebredo "ao lado do Hospital Geral Docente" Julio Trigo "(antigo Sanatório La Esperanza), localizado no Km 7 na Passagem em Bejucal município Arroyo Naranjo da capital.

"A informação foi passada a essa  agência pela Dra. Rayma Alonso, especialista em Obstetrícia e Ginecologia.

"A aplicação de medidas tão urgentes é devido à situação crítica que se encontrava a instalação hospitalar foi e que tem sido constantemente denunciada pelo Sindicato Independente dos Trabalhadores da Saúde, afiliado a Confederação dos Trabalhadores Nacional  Independentes de Cuba (CONIC)."

O Anuário Estatístico da ONU relata o seguinte:

"Cuba é o país com a menor taxa de natalidade da América Latina e o país com o maior número de abortos no mundo, 0,71 aborto para cada nascido vivo, em 1991, o dobro da taxa de outros países (dados com base em estatísticas oficiais do governo Cubano) ".

"A Interrupção seletiva da" gravidez de alto risco "diminui a taxa de mortalidade infantil."


El Nuevo Herald, na edição de 23 de setembro de 2000, relatou:

"Mais de 3 milhões de abortos em 30 anos. Cuba é um dos países com maiores taxas de abortos. Estatísticas oficiais mostra. Por exemplo, entre 1968 e 1992, foi realizado 2,9 milhões de interrupções de gravidez e de 1993-1997 foram realizados 424,214 abortos.

 Dr. Miguel Angel García Puñales  escreveu: " O sistema de saúde cubano , "e  diz o seguinte:

" Existe em Cuba mais de um sistema de saúde, que funciona para a classe dominante e os turistas e  um ao alcance do povo. ' Não é um sistema público ,já que o povo só tem acesso a uma parte dele , com o menor benefício ."

" Ele não é gratuito, apesar dos trabalhadores serem tributados desde 1962 por um imposto sobre o salário,cujo  destino seria ao saneamento e medicina que hoje são praticamente inexistentes  e sempre foram cobrados ​​.
"Na minha passagem pelo sistema nacional de saúde , fui um professor  chefe do departamento de pós-graduação em um instituto de pesquisa, professor e vice-diretor de um hospital e chefe do departamento de desenvolvimento no Escritório Central do Ministério da Saúde Pública, precisamente a área de informação .

" Em todo esse tempo eu pude ver como os resultados do trabalho em saúde são escondidos , manipulados ou simplesmente desaparecem  com as  informações . "

<meta name="KeyWords" content="
Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil, Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil, Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil, Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil, Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil, Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil, Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil, Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil, Cuba uma das mais FAKES taxas de mortalidade infantil ">

Nenhum comentário:

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE