Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

sábado, 7 de fevereiro de 2015

A cultura do beicinho

No Brasil, quando você topa uma discussão franca e prova o seu ponto de vista honestamente, com fatos e lógica, o resultado é invariável: a parte derrotada chama você de intolerante. Tolerância, no entender desse povo, não é abdicar da força em favor da razão. É abdicar da razão para não ferir o apego sentimental que o interlocutor tem a opiniões insustentáveis. Mas, com toda a evidência, o amor às próprias opiniões, a recusa de submetê-las ao teste da lógica, é a definição mesma da intolerância. 

O que os brasileiros chamam de tolerância é a intolerância imposta por meio da chantagem emocional que faz beicinho quando contrariada por argumentos. Só o que a distingue da intolerância totalitária são os meios que emprega. Entre o beicinho e a guilhotina, a diferença é de grau, não de substância. Tanto que do beicinho se passa, com a maior facilidade, aos insultos e às ameaças de morte – morte ao “intolerante”.

Opiniões, neste país, não são hipóteses concebidas para tentar descrever a realidade. São símbolos de uma personalidade ideal, próteses psíquicas em que se amparam as identidades pessoais vacilantes. São amuletos. Desativar um deles pelo exame racional não é trocar uma visão tosca da realidade por uma visão mais aprimorada: é desfazer um encantamento protetor, é colocar uma alma em risco, demolindo seus pilares de papelão. 

É, mais que um insulto, uma agressão, um crime. A resposta ao crime é a violência legítima: já houve quem propusesse, em nome da tolerância, cortar minhas mãos, para que não pudesse escrever, e minha língua, para que não pudesse falar. E alardeava isso com a consciência limpa de quem, acuado por perigo iminente, agisse em defesa própria.

Circulam pela internet inumeráveis mensagens, e não de braçais semi-analfabetos, mas de estudantes e professores, que, tendo lido meus artigos, perguntam aterrorizados: “Que faremos se um dia ele chegar ao poder?” 

Acreditam piamente que não sou um simples cidadão privado, um estudioso sem ligações políticas empenhado em analisar e compreender os fatos: sou um elemento – um “quadro”, como se dizia no velho Partidão – de um vasto esquema golpista, fortemente subsidiado por grandes empresas, às vezes com algum envolvimento direto da CIA e do Mossad, empenhado em trazer de volta o regime militar ou mais provavelmente a teocracia medieval, tão propícia, como se sabe, ao capitalismo moderno e mais ainda aos judeus. 
Dito isso, acusam-me de disseminar teorias conspiratórias. Juntam-se às centenas para discutir os meios de me tirar de circulação e se regozijam com o benefício que assim trariam à democracia e à liberdade de pensamento. Fazem isso com a maior seriedade. Depois empilham sobre a minha pessoa densas camadas de vitupérios – canalha, verme, fascista, porco, safado – e, com idêntica convicção subjetiva, asseguram que não vai nisso nenhuma hostilidade, apenas uma crítica serena às minhas idéias.

Estaria eu exagerando ao ver nessa amostragem um sinal do estado de enervamento psicótico e inconsciência febril em que se encontram as classes alfabetizadas deste país, depois de nutridas durante décadas com a ração da mais pura paranóia comunista, terceiromundista e anti-americana?

Talvez tenhamos mesmo herdado dos portugueses aquela propensão, assinalada neles pelo conde Keyserling, de tentar conciliar o inconciliável e, evidentemente, dar sempre com os burros n'água por isso mesmo. Lula se acha apto para atuar de mediador entre Chávez e Uribe porque está persuadido de que é os dois ao mesmo tempo. Não deixa de ter razão. 

Seu partido é leal às Farc e sua política econômica é leal aos EUA. Seu governo se alimenta do agronegócio e o declara o principal inimigo. Estufa as empresas com subsídios e às esvazia por meio do fisco. Cospe nas Forças Armadas e tenta seduzi-las para a estratégia continental da esquerda. Getúlio Vargas também, segundo observou José Ortega y Gasset, fazia política de esquerda com a mão direita e de direita com a mão esquerda. Terminou, mui coerentemente, usando a mão direita para dar um tiro no lado esquerdo do peito.

POR: Olavo de Carvalho / Zero Hora, 23 de janeiro de 2005


<meta name="KeyWords" content=" 
A cultura do beicinho, A cultura do beicinho, A cultura do beicinho, A cultura do beicinho, A cultura do beicinho, A cultura do beicinho, A cultura do beicinho, A cultura do beicinho, A cultura do beicinho">

Um comentário:

Douglas Aranda disse...

Certa vez, num vídeo do Jair Bolsonaro, um rapaz veio criticar a direita e falando mal da esquerda, questionando porque não nos unimos e "fazemos o que é melhor para o povo" e largamos de paranoia. Coloquei ele no devido lugar com fatos e não argumentos, mostrei pra ele que é justamente o que é certo ou errado pra cada lado que nos torna diferentes. Ele me chamou de fascista e extremista! Kkkkkkk! Depois "sentei ele de novo na cadeira", e mostrei como ele não era centrista e sim mais um bode expiatório da esquerda, um social-democrata que acha que o mundo é perfeito. Tipos como ele vêm atacar um alvo atirando em outro, são como cobras...

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE