Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

A verdade sobre o Porto Mariel

Em um relatório datado população cubana Mariel, 40 km a oeste de Havana, a revista britânica The Economis t indica que o novo mega-porto situado do outro lado da baía, com um terminal de contêineres nova marca e pretende criar um espaço econômico como China desenvolvido desde os anos 80 especial, é parte de uma visão do governo cubano para ajudar a economia menos dependente de remessas de emigrantes e investimento estrangeiro.
Novo Terminal de Contêineres de Mariel: em seis meses tinha operado 57 navios.

"No entanto, Carlitos" ─un residente local que viveu atos de repúdio contra aqueles que deixam o país, por isso mesmo bahía─ "não desencadeia a emoção", depois de ver os construtores que construíram o terminal foram pagos 250 pesos por mês, US $ 10.


 
O Economis t visto que não foi concedida a primeira das 23 licenças para investir na ZEE que foram solicitados até agora. Reinante mesmo economistas como presidente do sindicato, Joaquín Infante, exortando o governo a acelerar a aprovação de permissão para investir. "Temos de ser mais flexível e assumir mais riscos," Infante disse à revista.
A Economia miinistro Adel Yzquierdo (c) informa a Assembleia Nacional reduziu para 1,4% a previsão de crescimento para 2014. A Economia miinistro Adel Yzquierdo (c) informa a Assembleia Nacional reduziu para 1,4% a previsão de crescimento para 2014.

A publicação assinala o contraste entre as mudanças trazidas reformas para a economia nacional em termos de restaurantes, privado contratar novas cooperativas e famílias não-agrícolas, e uma macroeconomia que, segundo ele, é "praticamente paralisado". Salienta que, no primeiro semestre de 2014, o PIB cresceu apenas 0,6%, forçando o governo a reduzir para 1,4% sua previsão para o ano. "Isso é mais baixo do que a média anual de 2,7% registrada desde Raúl Castro assumiu o poder em 2008 ", diz o relatório.

Ele acrescenta que a raiz do problema é o investimento, citando um relatório divulgado em julho por dois economistas cubanos Omar Everleny Pérez Villanueva e Ricardo Torres, segundo a qual a capital de Cuba (máquinas, edifícios) caiu no ano passado a 7, 8% do PIB, aproximando-se do nível de 5,4% em 1993, quando a economia estava em seus piores encruzilhada. (A média latino-americana é superior a 20%.). "A economia é j .....", diz um diplomata estacionado em Havana.

Enquanto os apoiadores do regime afirmam que as reformas só precisa de mais tempo, críticos vêem uma falha fundamental no modelo de reforma, mas tem sido dada mais liberdade para fazer e vender, o Estado manteve sob rigorosas de controle de insumos necessários: sementes cultivar; molhos e especiarias para restaurantes; ou peças de reposição para táxis, e é reprimido ainda mais as "mulas" que transportam esses itens para a ilha como parte de sua bagagem pessoal, que retornam de viagens ao exterior.

Diplomatas citados pela publicação britânica prever que tais contramedidas Cuba vai tornar mais difícil para atrair 2.500 milhões por ano em investimento estrangeiro necessário para começar a desenvolver. Alguns também apontam para grandes dificuldades financeiras que enfrentam a ilha da pesada multa imposta pelos Estados Unidos contra o banco francês BNP Paribas, por violar o embargo.

Sob o seu proprietário, renovar velhas amizades a reportagem do The Economist observa que "Cuba novamente recorrer à geopolítica para escorar a economia vacilante. "

Observa que os observadores da economia cubana estão prestando atenção às visitas recentes do presidente russo Vladimir Putin e da China, Xi Jinping. "Ao deixar alguns investimentos específicos oferecem a oportunidade de começar regime reduzir sua dependência de Venezuela, cujo governo tem sido abalada este ano pela instabilidade", diz ele.


Um diplomata disse que Havana preferem russo ou chinês para o investimento de capital ocidental, que vê um "cavalo de Tróia".
"O beijo, beijo!" Castro e Putin abraçar em Havana, após fazer declarações à imprensa. "
 

Um economista cubano, entretanto, encontra paralelos com a era da Guerra Fria. "A mentalidade dos tomadores de decisão está falando com a Rússia ea China, e torná-los ofertas especiais baseadas em política", disse ele ao The Economist.

"É a mesma mentalidade que tivemos no passado ... e não ajudou muito a melhorar a produtividade", disse ele.



FONTE :   Rolando Cartaya
rcartaya@ocb.ibb.gov
Rolando Cartaya (La Habana, 1952) Graduado de Periodismo, Universidad de La Habana 1976. Ha trabajado en la página cultural de Juventud Rebelde, la agencia UPI, el servicio Worldnet y como editor de las revistas “Newsweek”, “Discover” y “Motor Trend” en español. Ha traducido más de 20 libros para la editorial cristiana Thomas Nelson, Inc. Con Radio Martí desde 1989, ha sido editor, redactor, reportero, y director y guionista del programa “Sin Censores ni Censura”. Actualmente trabaja en martinoticias.com. Fue vicepresidente en la isla del Comité Cubano Pro Derechos Humanos.

Nenhum comentário:

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE