Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Financiamento Público é Golpe.

Quem diria. A Ordem dos Advogados do Brasil foi terceirizada pelo PT para preparar o caminho que levará o Brasil a ser transformado numa república comunista do século XXI como existe em Cuba, na Venezuela, Bolívia e Equador. 
No calor das manifestações ocorridas no Brasil em julho passado, o PT, que já tinha pronta a campanha de marketing para a tal Reforma Política, tentou emplacar por meio de projeto parlamentar, um “plebiscito”, que acabou detonado.
Nessa ocasião, enquanto os bate-paus do PT espalhavam o terror nas ruas com quebra-quebras nas duas maiores cidades do Brasil - São Paulo e Rio de Janeiro -, esquema montado pelo Foro de São Paulo para forçar a aprovação do tal plebiscito que, argumentavam, atenderia às “vozes das ruas”, o presidente da OAB nacional, Marcus Vinícius Furtado Coêlho, foi recebido pela Dilma no Palácio do Planalto. Depois desse encontro o plebiscito desapareceu do discurso do PT. 
Era coisa de amador. Precisaria profissionalizar o esquema. E aí a OAB entrou na parada. O resultado disso foi o retraimento estratégico do Foro de São Paulo e do PT. Os líderes do PT não falariam mais publicamente sobre o plebiscito para reforma política. De fato foi isto que aconteceu. Quem encampou a proposta do PT foi a OAB, mas com uma estratégica diferente, revestida por suposto legalismo jurídico.
Tanto é que a OAB propôs no STF a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) que está e julgamento. Pretende não só proibir doações de pessoas jurídicas a partidos políticos, mas também estabelecer novos limites para as doações de pessoas físicas tanto a campanhas quanto às legendas. 
Aparentemente tudo isso pode soar como uma coisa boa que vai moralizar as campanhas eleitorais. Entretanto, nas últimas campanhas eleitorais o PT foi o campeão absoluto no volume de doações recebidas principalmente de empresas e empresários. 
Por que então o PT deseja o financiamento público das campanhas? Esta é a pergunta básica que tem de ser feita. E a resposta pode estar no que disse o presidente da OAB, Marcus Vinícius que segundo o site do Estadão deveria se pronunciar nesta quarta-feira no Supremo em defesa da ADIN.
Diz a matéria do Estadão que o presidente da OAB acredita que a votação de uma reforma política será um “efeito colateral” da possível declaração de inconstitucionalidade das doações para campanhas eleitorais. “Hoje existe uma inércia que será vencida e terá que haver uma concentração de esforços para a reforma política”, coincidentemente o que interessa só e apenas ao PT.
E prossegue a matéria do Estadão: “Coêlho rebateu o argumento de parlamentares de que o Supremo, ao julgar a matéria, estaria legislando em assunto restrito ao Legislativo. "Na ação, solicitamos que o Supremo possa modular os efeitos e atribuir prazo para que o Congresso legisle sobre as lacunas", explicou o presidente da OAB”.
Esse “efeito colateral” que decorrerá do eventual acolhimento pelo Supremo da ADIN, formulada pela OAB será, sem dúvida, a retomada pelo PT do projeto bolivariano do plebiscito que prevê a convocação de uma Assembléia Constituinte exclusiva que votaria a reforma política. A rigor, essa eventual constituinte teria poderes de alterar as cláusulas pétreas da Constituição de 1988. Em outras palavras, estaria sendo rasgada a Constituição. Foi isto que aconteceu na Venezuela, Equador, Bolívia. Nesses países o Foro de São Paulo conseguiu impor Constituições comunistas em consonância com o dito comunismo do século XXI, adequando esses países a um regime político nos moldes cubanos e chineses. 
Com o STF já parcialmente aparelhado pelo PT e no próximo ano devendo, em razão de aposentadorias de alguns ministros, transformar-se numa Corte dominada por esbirros do regime, ter-se-á finalmente lançado a pá de cal sobre os últimos vestígios de democracia representativa.
Causa espécie que até agora nenhum Ministro do Supremo Tribunal Federal que não deva vassalagem ao PT, tenha levado em consideração o que está claramente em andamento: um golpe de Estado! Mas prestem atenção, por favor! Não é o clássico golpe, mas um golpe que utiliza as próprias instituições democráticas, como o Poder Judiciário e o Poder Legislativo para alcançar o diabólico objetivo. 
Resumidamente, é isso que está em curso no Brasil. Se há algo diferente do que ocorreu nesses países bolivarianos que citei, é a participação efetiva da Ordem dos Advogados do Brasil, que surge como ator sobre o qual, supostamente, não recai qualquer suspeita.
Se a ADIN for acolhida abre-se o caminho para o golpe bolivariano, eufemismo para a transformação do Brasil numa república comunista. Depois disso, as instituições democráticas como os Poderes Judiciário, Legislativo funcionarão como peças que revestirão o regime de falsa legalidade democrática. 
As Forças Armadas, por sua vez, serão os cães de guarda do regime. 
E, concluindo, transcrevo as palavras de Lula, que aparecem em destaque no panfleto vermelho do PT, conforme facsímile acima, que estava em circulação e foi estrategicamente recolhido, como foram recolhidos os black blocs:
“A eleição está ficando uma coisa muito complicada para o Brasil. No Brasil se o PT não reagir a isso, poucos Partidos estarão dispostos a reagir. Então o PT precisa reagir e tentar colocar em discussão a Reforma Política e uma Constituinte exclusiva que é o caminho. Eleger pessoas que só vão fazer a Reforma Política, que vão lá (para o Congresso), mudar o jogo e depois vão embora. E daí, se convocam eleições para o Congresso. O que não dá é para continuar assim.”
Informo também que o PT criou uma nova página na internet com material de propaganda da tal “reforma política”, conforme pode ser visto no facsímile acima.
FONTE:  

10 motivos para ser contra o financiamento público de campanha
1- Falta verba para a educação e saúde, mas agora querem destinar bilhões para os políticos? Melhor não.
2- A iniciativa privada tem todo o direito de apoiar e ajudar financeiramente os candidatos que ela ache que são os melhores, contanto que suas contribuições sejam legais. Impedir um cidadão de ajudar seu candidato não é democrático.
3- Uma vez eleito, o candidato não deve devolver o favor para ninguém. Ele é eleito para governar para todos. Se alguns são corruptos e ajudam a quem contribue para suas eleições, não são todos que devem pagar por isso. Aliás, se um político é corrompido, deve ser preso. O eleito não é obrigado a roubar, então não podemos culpar todos pelos crimes que alguns cometem – nem sendo punidos.

Continua aqui



<meta name="KeyWords" content=" Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe, Financiamento Público é Golpe,">

Nenhum comentário:

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE