Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Dívida Externa Brasileira 2013


APESAR DE JÁ SER ANTIGA NÃO DEIXA DE SER ATUAL,ESTE FOI O MOTIVO DA POSTAGEM PARA QUE A POPULAÇÃO SAIBA O QUANTO DEVEMOS REALMENTE:
Em artigo desta quarta-feira (6), a Auditoria Cidadã da Dívida denuncia que, diferente do divulgado por vários veículos da imprensa brasileira, o montante da
dívida pública já ultrapassou R$ 3 trilhões de reais.

A entidade baseia a afirmação na soma da dívida pública federal interna - R$ 2,823 trilhões no final do ano passado - e da dívida externa bruta - US$ 441,757 bilhões no mesmo período - , conforme dados divulgados pelo Banco Central.

Segundo a Auditoria Cidadã, a informação divulgada pela imprensa de que a dívida teria ultrapassado os R$ 2 trilhões no final do ano passado não reflete o montante da dívida bruta brasileira, uma vez que a mesma mostra apenas parte da dívida – a que se encontra “em poder do público”, excluindo os mais de R$ 900 bilhões de títulos que foram repassados ao Banco Central, dos quais grande parte é entregue ao mercado.

“Trata-se de um mero artifício para não mostrar o verdadeiro montante da dívida pública brasileira, pois o Tesouro emite os títulos da dívida mobiliária e os entrega ao Banco Central que, por sua vez, repassa-os aos bancos por meio das “Operações de Mercado Aberto”. Portanto, a maior parte dos títulos da dívida não fica em poder do BC, mas é efetivamente repassada aos bancos”, explica a nota da Auditoria Cidadã.






De acordo com o texto, parte dos títulos que fica com o BC é utilizada para que o Tesouro cubra os constantes prejuízos do BC com a manutenção das reservas internacionais (em benefício do mesmo setor financeiro privado), dado que nos últimos anos o dólar tem se desvalorizado frente ao real.

Adicionalmente, estejam os títulos em poder de quem seja, os mesmos correspondem a títulos efetivamente emitidos e sobre estes terão que ser pagos os juros nominais a cada período (de acordo com o prazo de cada emissão) e ao final terão que ser resgatados. Dessa forma, trata-se efetivamente de dívida pública e a omissão de quaisquer parcelas fere o princípio da transparência.
“Por isso devemos tomar em conta – sempre – o montante da dívida bruta”, justifica a entidade.

Os dados oficiais mostram que a dívida interna cresceu R$ 288 bilhões no ano passado, principalmente devido aos altíssimos juros. Apesar do discurso oficial de que as taxas de juros teriam caído para 7,25% ao ano (Taxa Selic), o custo médio da dívida pública federal interna atingiu 11,72% ao ano, em dezembro de 2012. Isto ocorre, pois a maior parte dos títulos da dívida interna não é mais indexada à Taxa Selic, mas a outras taxas, bem maiores.

As emissões de títulos para a obtenção de recursos para bancos públicos (BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) também inflaram a dívida em R$ 66 bilhões no ano passado.
*Com edição do ANDES-SN
Fonte: Auditoria Cidadã da Dívida


 TAGS:"keywords" content="Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013, Dívida Externa Brasileira 2013

Um comentário:

Celso Real disse...

É difícil imaginar qual a razão de não pagar a dívida? ou será que existe políticos como credores? por que só de arrecadação de impostos em 2012 foi mais de 1 trilhão de reais

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE