Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

A Porta-Bandeira Dilma leva nocaute

[TITULO ORIGINAL] Celso Arnaldo: Dilma Rousseff confunde medalha com bandeira e não sabe se os irmãos pugilistas são dois ou quatro 

Depois de testemunhar o encontro entre a bandeira olímpica e a presidente Dilma Rousseff, o jornalista Celso Arnaldo Araújo desconfiou que a esculhambação começara. Teve certeza disso ao ser castigado com uma das piores discurseiras armazenadas neste espaço pelo grande caçador de cretinices especializado em dilmês. 

Confira. E imagine o que vai acontecer até 2016 e, sobretudo, durante os Jogos do Rio. (AN) A PORTA-BANDEIRA DILMA LEVA A NOCAUTE O PROTOCOLO E O IDEAL OLÍMPICO CELSO ARNALDO ARAÚJO A atual bandeira olímpica está no Brasil desde segunda-feira ─ e aqui ficará até o término das Olimpíadas do Rio. 
Não é uma bandeira qualquer. São 2,22 metros de largura por 1,54 de altura da mais pura seda oriental e foi confeccionada, pelos melhores artesãos coreanos, para as Olimpíadas de Seul, em 1988 ─ e desde então transferida, de quatro em quatro anos, para o país-sede dos jogos seguintes. Não só por isso, mas por ser o ícone máximo dos Jogos desde 1914, quando foi desenhada em pessoa pelo próprio Barão Pierre de Coubertin, o pai das Olimpíadas da era moderna, o conjunto de regras para o manuseio da bandeira é mais extenso que o rol de mesuras que um plebeu deve seguir na presença da Rainha da Inglaterra. Por onde quer que tenha passado para uma temporada de quatro anos a bandeira de Coubertin foi tratada com os mimos que o centenário protocolo olímpico estabelece. Isso até chegar ao Brasil. Aqui, apesar de detalhada orientação a seus guardiães, foi esculhambada pela própria presidente da República, em pleno Palácio. A avacalhação começou no momento mesmo em que a bandeira olímpica passou para as mãos de brasileiros, ainda em Londres. 
Para recebê-la, o Comitê Organizador Rio 2016 assinou um compromisso que impõe, entre muitos itens, que ela não pode sair de sua caixa para passeios na rua nem ser desfraldada sem um cerimonial específico, com direito até a uma “Guarda de Honra da Bandeira Olímpica”. 
Mas já no embarque, em Londres, segunda-feira, a coisa desandou. 

O boxeador e medalhista Esquiva Falcão foi fotografado segurando o nobre lábaro para um oba-oba com as mãos nuas ─ ele que, ironicamente, ganhou sua medalha de luvas. Mas foi em pleno Palácio do Planalto que o protocolo olímpico iria, de vez, pras cucuias gregas. 
O atentado oficial à bandeira foi filmado e disponibilizado no próprio Blog do Planalto, na ocasião em que Dilma recepcionou também os irmãos Esquiva, medalhistas do boxe em Londres. Começa com as três maiores autoridades presentes ─ a própria Dilma, o prefeito Eduardo Paes e Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB ─ fingindo para fotógrafos e cinegrafistas que estão interessados nos detalhes da caixa da porta-bandeira. 
Sem mais essa nem aquela, Paes abre a pequena arca e vai logo metendo a mão na bandeira, que estava posta em sossego, com todas as suas meigas dobraduras, à espera do toque gentil e formal. Em seguida, como quem vai estender a toalha na mesa para o café da manhã, a presidente ajuda Nuzman e Paes a desfraldar a seis mãos, lambuzadas de cumprimentos áulicos, o estandarte do barão de Coubertin ─ até ele roçar o chão. 

Corta para o risonho trio de desfraldadores, Pezão ao fundo, exibindo a bandeira na mão grande ─ disfarçada com mal coreografadas pontas de dedos ─ num gesto caseiro de empáfia de troféu com um símbolo que é universal. 

DISPUTA ESPORTIVA NÃO TEM SENTIDO Dilma tem tanta noção da importância formal daquele pedaço de pano que, de cara, já errou o nome da coisa: “O prefeito, que recebeu a medalha…a medalha, não, a, a, a bandeira…”, corrige, depois do sopro providencial de Eduardo Paes. 

Vai começar um dos piores discursos da enorme dilmoteca armazenada neste espaço. Mas a presidente está tão compenetrada em sua falação olímpica que não nota a ponta de seu sapato impedindo o prefeito de erguer a bandeira do chão para devolvê-la, dobrada de qualquer jeito, àquela versão tupiniquim da caixa de Pandora ─ nome que Dilma poderia confundir com a da urna que guarda a bandeira dos Jogos Panamericanos. 

Ele puxa meio sem jeito o ícone sagrado uma, duas, três vezes ─ até que Dilma se toca e levanta o pezinho, sem interromper a catilinária de fazer corar o último colocado dos Jogos Abertos do Interior: 
 “Esses atletas aqui, que receberam a medalha aqui, e que honraram muito o Brasil e os brasileiros e as brasileiras”, enfatizando, para o mundo, o nome do povo que habita este país, em seus dois gêneros. “Porque, para nós, a Olimpíada tem essa característica: é um momento em que todos nós deixamos de nos preocupar com os problemas que cada um enfrenta e assistimos uma das coisas muito importantes que o gênero humano inventou, que é a disputa esportiva. 

Aquela disputa que não tem sentido além de ser o próprio espetáculo”. Sabemos agora, pela própria presidente, o que o pessoal do Planalto e da Esplanada andou fazendo nas duas últimas semanas ─ o que explica também o aumento da audiência da TV Record e a ausência de qualquer ação de governo nesse período. 
Mas ficou uma dúvida: se a disputa não tem sentido, o que estão fazendo aqueles boxeadores com suas medalhas ali? 

Dilma não se esquiva da resposta: 

“Por isso, neste momento, a gente tem de fazer uma reflexão sobre a importância dos atletas. Eu estou aqui com dois atletas: o Esquiva e o Yamaguchi, o Yamaguchi e o Esquiva”. Espere: são dois ou quatro? Família campeã, essa. 
E surpreendente: ao contrário dos demais atletas que participaram dos Jogos, eles foram a Londres para disputar medalhas olímpicas, não o programa Quem fica de pé, do Datena:
 “O objetivo deles era ser ganhadores de medalhas olímpicas, porque medalhas olímpicas são muito importantes. Eu estou falando medalhas olímpicas. Não estou falando só ouro, só prata, só bronze, porque a distinção é esta. A distinção é o país ser premiado pela sua capacidade, pela sua expertise, pela sua arte. 

Porque lutar boxe além de ser uma luta é uma arte”. Sim: lutar boxe é uma luta, disse um dia, com arte, Dilma Rousseff ─ congregando o mundo, em dilmês de lona, em torno dos Jogos Olímpicos do Rio.

As Olimpíadas de Dilma podem vir a ser um tremendo fracasso ─ mas, se depender dela, certamente serão as mais divertidas desde o compenetrado Barão de Coubertin. 

Um último toque para os ambientalistas: para o Brasil não ficar mal na fita, iniciem já a campanha “Salvem a bandeira olímpica” 

FONTE: Augusto Nunes


TAGS:"keywords" content=" A Porta-Bandeira Dilma leva nocaute, A Porta-Bandeira Dilma leva nocaute, A Porta-Bandeira Dilma leva nocaute, A Porta-Bandeira Dilma leva nocaute, A Porta-Bandeira Dilma leva nocaute, A Porta-Bandeira Dilma leva nocaute

Nenhum comentário:

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE