Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

segunda-feira, 23 de maio de 2011

População não quer ficar desarmada




População não aderiu à campanha de desarmamento Em todo o país menos de 500 armas foram entregues
por Assessoria

De acordo com os dados do sistema DESARMA da Polícia Federal, que abriga o controle de armas entregues na mais recente campanha de desarmamento voluntário, apenas 493 armas de fogo e 608 munições foram entregues para Polícia Federal em todo o território nacional.

Para o especialista em segurança pública e presidente do Movimento Viva Brasil, Bene Barbosa, o resultado é a comprovação do que a ONG vem afirmando desde o início: “Sempre dissemos que esta nova campanha teria poucas entregas, isso era muito claro e parece que só o governo não sabia ou não queria acreditar.”

Em entrevistas recentes, o Ministério da Justiça, responsável pela campanha, afirmou que a atual baixa adesão mudará com uma maior divulgação e com o credenciamento de novos postos de coleta até dezembro, o que aumentaria a procura para a entrega.

Barbosa reafirma sua posição e assevera que maior informação ou mais postos não farão diferença significativa: “Não adianta. O que o Governo Federal não consegue aceitar é que o brasileiro não quer se desarmar. Votou contra o desarmamento em 2005 e claramente também não acredita mais neste tipo de campanha para diminuir a criminalidade”.

A política desarmamento civil vem sendo implementada no Brasil desde 1995 e culminou na aprovação, em 2003, do chamado Estatuto do Desarmamento. De acordo com o “Mapa da Violência 2011”, estudo realizado pelo Instituto Sangari e divulgado pelo Ministério da Justiça, embora tenham ocorrido oscilações no número de homicídios em anos posteriores, em 2008 o Brasil voltou ao patamar de mais de 50 mil mortos por ano, colocando em cheque a afirmação de que o desarmamento seria eficaz para reduzir a criminalidade violenta.

Há estados bastante emblemáticos para a quebra do paradigma desarmamentista, como é o caso de Sergipe. Conforme os dados da Polícia Federal, o estado é campeão absoluto de participação na entrega voluntária de armas, sendo responsável, em campanhas anteriores à atualmente realizada pelo Ministério da Justiça, pelo recolhimento de 16.560 armas de fogo, número duas vezes maior que o do segundo colocado, Alagoas.

Ainda assim, isso não produziu redução nos homicídios ocorridos no estado, os quais, ao contrário, continuam a crescer em larga escala, com o preocupante dado de terem quadruplicado em uma década, conforme o mesmo “Mapa da Violência 2011”.

O estado de Alagoas não teve melhor sorte. O mesmo estudo demonstra que sua segunda colocação no ranking de participação em campanhas de desarmamento não o livrou de se tornar o campeão nacional nos índices de homicídio.

“São mais de 15 anos de uma política nacional de desarmamento do cidadão e todos já viram a ineficácia disto no combate ao crime.

A venda legal de armas caiu mais de 90% nos últimos 10 anos e a criminalidade cresceu. Mesmo assim, insistem e se empenham na exata mesma fórmula.

Fica difícil entender quais são as razões para se implantar algo que não funcionou em nenhum outro país do mundo e muito menos no Brasil”, explica Barbosa.
FONTE: http://cadaminuto.com.br/


TAGS:"keywords"content=" População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada, População não quer ficar desarmada

Nenhum comentário:

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE