Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

O FBI quer monitorar o Facebook e o Twitter




Agência policial americana pretende criar software de espionagem para as redes sociais

O FBI quer monitorar o Facebook e o Twitter de maneira mais minuciosa. O objetivo é antecipar atos terroristas e outros tipos de crimes.


A ideia da agência é criar um software de espionagem que analisará textos publicados nas redes sociais. Informações obtidas assim ajudariam no combate a atividades criminosas. O FBI garante que o monitoramento será apenas de material público.

O jornal britânico The Guardian publicou uma investigação revelando que este universo paralelo de mocinhos e bandidos de computadores está profundamente infiltrado pelo FBI e Serviço Secreto americano. De acordo com o veículo, de cada quatro membros, um colabora com órgãos do governo americano.

O jornal cita Eric Corley, personalidade do mundo hacker e responsável pela publicação americana 2600: the hacker quarterly, que afirmou que pelo menos 25% dos hackers americanos foram recrutados pelo governo americano “para funcionar como seus olhos e ouvidos”.

Esse quadro existe porque, após sucessivas prisões, os criminosos virtuais estão sendo forçados a cooperar com as investigações em vez de encarar longas sentenças na cadeia, o que acabou criando um vasto exércitos de informantes prontos para revelar dados sigilosos das comunidades hacker. Travestidos de “carders” (criminosos especializados no roubo de informações pessoais), ou acessando fóruns ilegais de comercialização de números de cartões de crédito, por exemplo, esses “aliados” do FBI conseguem chegar até os responsáveis por esses domínios e, em combinação com a inteligência das agências, colocar cibercriminosos atrás das grades.

O atual desafio para o órgão federal de investigação, no entanto, é alcançar as comunidades formadas pelos chamados “hackativistas”, como o Lulz Security e o Anonymous, que reivindicaram a autoria de ataques conhecidos como os ataques à Nintendo e o roubo de dados da Sony BMG para o primeiro e investidas aos sites da Visa e Mastercard para o segundo.

Um comentário:

Felipe Mendes Andrada disse...

Preciso te dar uma notícia então: http://www.surfcrew.com.br/dropando-politica/governo-dos-eua-vigia-todo-mundo-e-no-brasil

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE