Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Dilma, não quer ouvir as Damas de Blanco





As Damas de Blanco são mães e esposas de centenas de presos políticos cubanos. Todos os domingos elas saem em protesto e apanham da polícia de Castro. São ameaçadas, humilhadas e soltas a quilômetros de distância das suas casas.

Dilma, a nossa Dama de Vermelho, não quer falar com elas. Há um ano atrás, Dilma fez questão de receber oficialmente, em visita à Argentina, as Mães da Praça de Maio, que tiveram filhos desaparecidos no regime militar. A sua líder é envolvida em escândalos de corrupção. Quem pegou em armas, matou policiais, sequestrou e assaltou para implantar o comunismo merece o apoio da Dilma. Quem luta com as mãos vazias contra o comunismo merece desprezo.

A morte do dissidente cubano Wilman Villar na semana passada não deve causar constrangimentos à visita da presidente Dilma Rousseff à ilha, no fim do mês. Interlocutores da presidente dizem que Dilma deve se distanciar do episódio, mais um momento delicado em relação aos diretos humanos em Cuba.

Uma das características da petista em suas viagens internacionais tem sido evitar tratar de questões internas dos anfitriões. A Folha publicou ontem o pedido de exilados para que Dilma se refira aos direitos humanos em sua viagem a Cuba.

"Que ela vá a Cuba, desde que diga o que deve ser dito", disse Elena Larrinaga, presidente do Observatório Cubano de Direitos Humanos. Villar morreu de infecção generalizada e pneumonia após mais de 50 dias sem comer, na quinta-feira. O episódio reaviva o caso de Orlando Zapata Tamayo, dissidente que morreu em fevereiro de 2010, depois de 85 dias de greve de fome.

Tamayo era considerado "preso de consciência" pela Anistia Internacional -reconhecimento que Villar estava prestes a obter, segundo a organização não governamental- e protestava contra as condições carcerárias.

Ele morreu um dia antes de o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegar a Cuba para visita oficial e apenas "lamentar" o incidente. No sábado, a viúva de Villar qualificou de "manipulação" a versão do governo segundo a qual ele não seria dissidente. Maritza Pelegrino disse que tentam "manchar sua imagem depois de morto".(Da Folha de São Paulo)

Nenhum comentário:

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE