Translate - Tradução

Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

SEGUIDORES

Não perca o próximo artigo

Pesquisar Neste Blog

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria




Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria

Código Florestal: Dilma concede escandalosa "anistia" a uma poderosa agroindústria, mas não perdoa multas de milhões de pequenos produtores rurais.

Hoje, a Folha de São Paulo publica um editorial impressionante, intitulado " A caixa-preta do BNDES". Lá dá conta de que o banco acaba de converter em ações R$ 3,48 bilhões de créditos (debêntures) contra o grupo JBS-Friboi, reduzindo no mesmo montante a dívida da empresa junto a esta instituição pública.
Sim, senhores e senhoras, o BNDES está concedendo uma anistia bilionária a um gigante da agroindústria, assim como já estendeu a mão para salvar a Sadia, por exemplo, quando esta quase quebrou por causa de especulação financeira.
E sabem mais? O BNDES está pagando praticamente 50% acima do preço de mercado pelas ações adquiridas ação.

Dilma Rousseff levanta o seu dedinho para apontar para a cara do pequeno produtor e condenar qualquer anistia para quem desmatou quando nem mesmo lei existia.
Mas é justo colocar R$ 3,48 bilhões para salvar uma empresa que não soube gerir os seus negócios?
Ou a senhora presidente está apenas retribuindo o favor recebido, já que que esta empresa doou mais de R$ 10 milhões para a sua campanha?
É de se perguntar como é que esta senhora ainda consegue botar a cabeça no travesseiro e dormir, quando de uma só penada favorece uma só empresa, enquanto condena milhões de pequenos produtores a pagarem multas escorchantes e injustas.

E o PT, que fica bradando palavras de ordem contra o agronegócio e os "ruralistas", por que não defende o dinheiro público?
Por que o Greenpeace, o WWF, a Marina Silva e as suas ONGS financiadas pelo agronegócio internacional, não vão fazer protesto na frente dos frigoríficos da empresa?

Afinal de contas, ela também teve (talvez ainda tenha) sérios problemas ambientais, tendo recentemente sido obrigada a assinar termos de ajuste de conduta para não comprar mais gado de desmatador e de indígenas. Inclusive, basta dar uma passada no google, para saber que empresas do grupo JBS/Friboi usaram madeira extraída ilegalmente de florestas na Amazônia.

Na prática, a JBS Friboi está recebendo uma anistia de R$ 10 bilhões, que é o dinheiro que o BNDES já botou dentro da empresa. Este valor está muito próximo de todas as multas que poderiam ser anistiadas por Dilma Rousseff, se ela, em vez de defender o maior doador de sua campanha, defendesse os produtores rurais que sustentam este país e a sua economia.

FONTE: coturnonoturno.blogspot.com


TAGS:"keywords"content=" Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria, Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria, Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria, Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria, Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria, Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria, Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria, Dilma concede escandalosa "anistia" poderosa agroindústria

Um comentário:

Rosangela disse...

Dai a Cezar o que é de Cezar e a Deus o que é de Deus.

É claro que existe diferença de perder algo e perder “alguém”, porém nosso mundo anda tão louco, com uma inversão de valores tão grande, que tem pessoas que dão mais valor as perdas materiais do que a perda de alguém mais chegado.

Tirei esta frase de um artigo e fico impressionada em saber que esta é a realidade de muitos.
Quem entra para a política tem três caminhos a seguir: Dançar conforme a música, sair da dança ou fingir que dança.

Mesmo não tendo um cargo político, estamos dentro da política.
Vou explicar melhor: Vou participar da 27ª de Livro de Canoas/RS com a Livraria Chico Xavier. Acontece que uma das exigências da Secretaria de Cultura de Canoas é patrocinar R$ 350,00 em livros para serem distribuídos a jovens e crianças de escolas municipais para incentivo a leitura.
E quem escolhe os livros são eles mesmos. Pois o livro que eu tive que patrocinar chama-se Cama e Mesa de Anonymmus Gourmet. Estranhei o nome e perguntei sobre o que tratava o livro. Se refere a história da culinária (foi o que me disseram). Mesmo estranhando um livro que fala da história da culinária ter "cama" no título eu acreditei na informação e comprei os ditos cujos. Quando me chegou a encomenda mandei entregar na prefeitura e fiquei com um exemplar comigo. Ao analisá-lo constatei que este não se tratava de história da culinária coisa nenhuma. Vai aqui alguns títulos de crônicas "apimentadas" com apologia a luxuria, gula e vício do alcool contidas neste livro de incentivo a leitura de nossas crianças e jovens canoenses: "Os devotos da Gula", "A Guerra da Sedução", "Sedução e Macarrão", "Mais sedução e macarrão", "A Cidade dos Bares", "A Deusa da Cerveja", "Sensualidade à mesa", "Milagres engarrafados", "Beber a Coleção". E uma com o título de "Beatriz", onde o pai de uma menina que completa 15 anos dá o maior show na festa de 15 anos da filha se confessando "Eu gosto mesmo é das putas".
Por mais que eu pedisse que devolvessem para a editora estes livros (mais de 50 exemplares), no qual me sentira constrangida em patrocinar, não adiantou. Eles devem "favores" materiais para com a RBS e conseqüentemente com o autor do Livro. Fiz o que pude para sensibilizá-los e até com a esposa do prefeito eu tentei dialogar. Poderia seguir em frente e até abrir um processo contra a prefeitura. Mas preferi seguir as "regras" que eles estipularam para participar desta feira do Livro. No momento do sorteio do local das bancas peguei a de n°1 (a mais cobiçada pelos livreiros). E espero vender muito livro espírita para despertar consciências e tentar amenizar a minha infeliz contribuições que os "homens do poder" me forçaram a cumprir.
Me prometeram ler o livro pra que eu me acalmasse quando tanto insisti. Quando eu disse que iria pedir a Deus que os iluminassem na avaliação do livro a resposta do Diretor de "cidadania" Cultural de Canoas foi esta: "Por favor não faça isto. Porque não acredito em Deus".
Então encerro este meu comentário como o iniciei. "Dai a Cezar o que é de Cezar e a Deus o que é de Deus".

ONDE O ANARCO CAPITALISMO FUNCIONOU?

TESTE SUA VELOCIDADE